7 de agosto de 2017

All For Love - 1

"Ninguém vê, ninguém sabe. Nós somos um segredo, não podemos ser expostos"

*Justin on

Eu estava assistindo ao campeonato de basebol, quando ouvi baterem na porta, ou melhor, quase estourarem a minha porta nos socos seguidos. Levantei irritado para ver o que estava acontecendo, abri a porta e tinha uma mulher e dois policias ao seu lado, ela ergueu um papel na altura do meu rosto e disse as piores palavras que alguém pode ouvir

Xxx: Justin Drew Bieber, você esta preso!
Justin: Como é?

Os dois homens se aproximaram de mim, eu estava tão chocado com tudo aquilo que não tive nem tempo de pensar em reagir, um policial me segurou e o outro me algemou

Xxx: Você tem o direito de permanecer em silêncio, tudo que disser poderá ser usado contra você no tribunal
Justin: Tribunal? Mas eu não fiz nada
Xxx: É o que todos dizem. Podem leva-lo

Os policiais me arrastaram pelo corredor do prédio onde eu morava, comecei a gritar para me soltarem, mas nada adiantou, tudo o que consegui foi chamar a atenção dos meus vizinhos que abriram suas portas para verem o que estava acontecendo. Percebi que resistir era em vão, e acabei indo por livre e espontânea vontade até a viatura

*Bárbara on

Cheguei na delegacia após fazer uma limpa no apartamento do suspeito e não encontrar absolutamente nada, ele só podia ter jogado a arma do crime em algum lugar. Daniel veio em minha direção rindo

Babi: Qual a graça?
Dan: Eu estava pegando o depoimento do suspeito de assassinato
Babi: E o que ele disse?
Dan: Ele jura que é inocente, ele acha mesmo que vamos cair nessa? Temos imagens dele esfaqueando a garota na rua e ainda tenta negar - Balançou a cabeça - Babaca
Babi: Ele me disse o mesmo no apartamento, parecia completamente confuso da policia estar na sua porta
Dan: Claro, ele é um assassino, vai saber o que se passa naquela cabeça doente dele
Babi: Eu vou la tentar tirar algo dele
Dan: Se eu não consegui, porque você conseguiria algo?
Babi: Você não tem o charme feminino - Pisquei para ele -
Dan: Porque não me mostra esse charme feminino mais tarde?
Babi: Idiota - Ri e revirei os olhos -

Fui até a sala de depoimento, havia um policial fazendo a segurança da porta, ao me ver ele abriu a porta para mim, entrei na sala e vi o suspeito com a cabeça baixa entre as mãos. Caminhei até a mesa e sentei de frente para ele, suas mãos estavam algemadas e ele nem fez questão de levantar a cabeça

Babi: Justin? - Ele ficou em silêncio, suspirei cansada - Porque não me ajuda para acabarmos logo com isso

Ele levantou a cabeça e me olhou com os olhos vermelhos, ele parecia ter chorado, senti um aperto no peito, mas resolvi ignorar

Justin: Te ajudar? E quem me ajuda? Estou sendo acusado de algo que eu não fiz!
Babi: Um advogado pode te ajudar. Você tem direito a um advogado, sabe disso não sabe?
Justin: Eu não quero um advogado, eu só quero ir para casa e fingir que isso nunca aconteceu - Seus olhos encheram de água -

Abri a gaveta da mesa, peguei um envelope, tirei as fotos que estavam dentro e mostrei para ele. Eram cenas da câmera de segurando da rua, onde mostrava ele esfaqueando Freya pelas costas

Babi: Esta me dizendo que esse homem não é você? - Apontei para a foto -
Justin: Olha moça...
Babi: - O interrompi - Policial Cooper - O corrigi -
Justin: Policial Cooper, eu sei que esse homem se parece comigo, mas não sou eu. Eu nunca fiz mal a ninguém, eu nem tenho passagem pela policia. Eu não sou um assassino, você tem que acreditar em mim

Ele me olhou profundamente, como se estivesse colocando toda a sua fé de ficar livre em mim, desviei o olhar

Babi: Seu julgamento é em 15 dias, espero que até la você consiga convencer alguém a acreditar no seu teatro
Justin: 15 dias? Como vou provar a minha inocência estando preso? - Falou desesperado -
Babi: Nada disso estaria acontecendo, se não tivesse matado aquela garota
Justin: Eu tenho direito a um telefonema não tenho?
Babi: Tem, quer fazer essa ligação agora?
Justin: Sim

Peguei meu celular, coloquei para discar e o entreguei. Ele pegou o celular, e discou os números de forma meio atrapalhada

Justin: Alô? Mãe? - Pausa - Eu fui preso - Pausa - Eu não sei mãe, estão me culpando pela morte de uma garota, eu não sei o que fazer - Pausa - Esta bem - Pausa - O meu julgamento é em 15 dias, preciso provar antes disso que sou inocente, a senhora é a única pessoa que pode me ajudar - Pausa - Esta bem, eu espero - Pausa - Eu também amo a senhora

Ele me entregou o celular e eu fiquei chocada o olhando, desde quando assassinos ligam para as suas mães em vez de ligar para um advogado? E desde quando eles dizem que ama a mãe na frente de alguém? Eu nem sabia que assassinos tinham sentimentos

Babi: Eu pensei que iria ligar para um advogado
Justin: Pessoas inocentes não precisam de advogado
Babi: Pelo jeito você não vai me dizer nada mesmo. Continuamos amanhã, uma hora você cansa de mentir e confessa

Me levantei e fui até a porta, ao sair pedi para que o policial o levasse até a cela. Fui até a cozinha e peguei um café, na verdade eu queria mesmo era uma vodka, mas não pode beber em horário de serviço. Daniel entrou na cozinha

Dan: E então, conseguiu tirar algo com o seu charme feminino? - Brincou -
Babi: Não - Disse irritada -
Dan: O que houve? Parece tensa
Babi: Você acredita que ele usou a ligação para ligar para a mãe dele e dizer que a ama? Normalmente as pessoas ligam para um advogado
Dan: Não me diga que ele esta mesmo mexendo com a sua cabeça com essa história de ser inocente?
Babi: Não, claro que não, eu só achei estranha a atitude dele - Dei de ombros -

Daniel se aproximou de mim, me puxou pela cintura e depositou um beijo em meus lábios

Dan: Não precisa se preocupar com aquele cara, logo ele receberá a sentença de morte dele - Piscou para mim -

Senti um arrepio passar por meu corpo ao ouvir aquelas palavras. Tudo que fiz foi assentir, Lee entrou na cozinha

P. Lee: O chefe esta chamando você Cooper
Babi: Obrigada, ja estou indo

Ele saiu da sala e me dirigi até a sala do delegado Jenkins. Bati na porta e ouvi sua voz

Babi: Pediu para me chamar senhor?
Caleb: Sim, pode se sentar - Apontou para a cadeira em sua frente -
Babi: E qual seria o assunto?
Caleb: Eu só queria saber como esta indo o caso do assassinato, ja foi feita a prisão?
Babi: Sim, senhor. Ja fizemos o interrogatório também, mas ele se recusou a cooperar, a todo momento dizia ser inocente
Caleb: Usou o charme feminino? - Brincou -
Babi: Tentei - Dei um meio sorriso -
Caleb: Podemos tentar novamente amanhã, uma confissão iria nos ajudar demais no julgamento
Babi: Posso ser sincera senhor?
Caleb: Claro
Babi: Eu acho que não conseguiremos tirar nada desse homem
Caleb: Porque diz isso? Acha que ele não ira confessar?
Babi: Sim, eu acho
Caleb: E porque acha iso?
Babi: Porque não tem como alguém inocente confessar algo que não fez
Caleb: Espera, esta me dizendo que ele é inocente?
Babi: Eu não sei, mas para mim ele parecia bem sincero ao dizer isso
Caleb: Agente Cooper, esta deixando suas emoções afetarem o seu julgamento? Porque se esse for o caso estará suspensa do caso e o passarei para outro agente
Babi: Não, não senhor. Isso não vai se repetir, me desculpe
Caleb: Tudo bem, espero mesmo que não se repita. Dispensada Cooper

Me levantei nervosa, o que eu havia acabado de dizer? Quase perdi um caso por bobagem. Quando sai da sala, vi Daniel a minha espera

Dan: Qual foi a bronca?
Babi: Ele só queria saber sobre o caso e se eu consegui arrancar algo do suspeito
Dan: Seu turno ja esta acabando, quer que eu passe na sua casa mais tarde?
Babi: Na verdade, eu e a Carey combinamos em ter a noite das meninas, foi mal
Dan: Tudo bem, nos vemos amanhã então - Depositou um selinho em meus lábios - Te amo
Babi: Eu também te amo - Sorri -

Fui em direção ao vestiário feminino. Não via a hora de tirar aquele uniforme e ir para casa descansar, esse dia havia sido horrível

(...)

Abri a porta do apartamento e Carey estava sentada no sofá com um balde de pipoca

Carey: Como foi o dia da melhor policia da cidade?
Babi: Péssimo - Revirei os olhos -
Carey: Deita aqui e me conta tudo

Me joguei no sofá exausta e coloquei a cabeça em seu colo

Babi: Fiz a prisão de um assassino hoje
Carey: E porque isso seria ruim?
Babi: Porque ele não parou um segundo sequer de dizer que era inocente
Carey: É claro, acha mesmo que ele iria confessar logo de cara?
Babi: Não, mas nesse caso é diferente - Me sentei -
Carey: Diferente como?
Babi: Eu não se explicar, mas eu sinto que ele esta falando a verdade
Carey: Tipo um sexto sentido?
Babi: Mais ou menos isso
Carey: Que bizarro
Babi: O julgamento dele sai em 15 dias, e pela brutalidade que a garota foi morta, eu aposto que ele pega perpétua
Carey: E você vai fazer o que em relação a isso?
Babi: O que você acha que eu deveria fazer algo?
Carey: Se você tem tanta certeza sobre a inocência dele, eu acho que deve tentar ajuda-lo a conseguir sua liberdade. Afinal, você não pode deixar alguém inocente pagar por um erro que não cometeu
Babi: Meu Deus, como alguém pode ser tão boa em dar conselhos? - Deitei em seu colo novamente -
Carey: Isso é um mistério - Deu uma risada fraca - E como esta o Daniel?
Babi: Porque quer saber? Você o odeia
Carey: Só estou tentando ser uma boa irmã - Deu de ombros -
Babi: Queria vim me ver hoje, mas eu menti dizendo que tínhamos uma noite das meninas
Carey: Pelo o que vejo você ainda esta o evitando
Babi: Mais ou menos isso

A algumas semanas atrás eu estava no carro de Daniel e senti um perfume de mulher, e desde então eu ando desconfiada dele. Ele nunca me deu nenhum motivo para duvidar sobre sua fidelidade a mim, mas também não vou ignorar o que aconteceu naquele dia

Babi: Agora que tal pararmos de falar do Daniel, e você me passar essa pipoca?
Carey: Sinto muito, mas prefiro falar do Daniel do que dividir a minha pipoca de chocolate
Babi: Idiota - Ri -

*Justin on

Justin: Oi? Tem alguém ai? Eu preciso de uma informação! - Gritei -

Ouvi um estrondo alto e um rangido, acho que alguém havia aberto a porta que da acesso as celas. O policial que havia me interrogado da primeira vez apareceu

Xxx: O que você quer?
Justin:  - Olhei seu crachá - Policial Foster, eu queria fazer uma ligação, eu preciso saber se minha mãe conseguiu achar uma forma de me tirar daqui, ou um advogado, sei la
P. Foster: Ja usou a sua ligação. Acho bom você aprender a ficar de boca fechada, e não perder o seu tempo gastando salivá gritando, porque essa cela é a única coisa que você vai ver pelo resto da sua vida
Justin: O que quer dizer com isso?
P. Foster: Quero dizer que você vai apodrecer aqui - O olhei assustado - Tenha uma boa noite

Ele saiu me deixando sem nenhuma resposta, apenas com mais dúvidas. Esse realmente seria o meu fim? Passar o resto da minha vida preso por algo que eu não fiz?

Continua com +5 comentários...

Olá pessoas, como vocês estão? Bom, eu não iria postar esse capítulo porque não teve o tanto de comentários pedidos, mas eu estava muito animada para postar o 1 capítulo, e espero que lendo isso, vocês se animem para comentar. Obrigada pelos comentários e até o capítulo 2. Beijos!

Divulgando

3 comentários:

  1. Ahh muito boommm adorei tu tem que continuar mulher preciso saber aonde isso vai dar acho q não é só eu KKKKK dó do Jus

    ResponderExcluir

Oi, não deixe de comentar, seu comentário é muito importante, ele faz com que eu continue postando. Se comentar em anônimo não esqueça de deixar seu nome no final, obrigada. Até o próximo capítulo!